Pular para o conteúdo principal

CONTOS DE MISTÉRIO - O CORVO DE EDGAR ALLAN POE - VÍDEO

CONTOS DE MISTÉRIO - O CORVO DE EDGAR ALLAN POE - VÍDEO:



N
uma sombria madrugada, enquanto eu meditava, fraco e cansado, sobre um estranho e curioso volume de folclore esquecido; enquanto cochilava, já quase dormindo, de repente ouvi um ruído. O som de alguém levemente batendo, batendo na porta do meu quarto. "Uma visita," disse a mim mesmo, "está batendo na porta do meu quarto - É só isto e nada mais." 
Ah, que eu bem disso me lembro, foi no triste mês de dezembro, e que cada distinta brasa ao morrer, lançava sua alma sobre o chão. Eu ansiava pela manhã. Buscava encontrar nos livros, em vão, o fim da minha dor - dor pela ausente Leonor - pela donzela radiante e rara que chamam os anjos de Leonor - cujo nome aqui não se ouvirá nunca mais.
E o sedoso, triste e incerto sussurro de cada cortina púrpura me emocionava - me enchia de um terror fantástico que eu nunca havia antes sentido. E buscando atenuar as batidas do meu coração, eu só repetia: "É apenas uma visita que pede entrada na porta do meu quarto - Uma visita tardia pede entrada na porta do meu quarto; - É só isto, só isto, e nada mais."
Mas depois minha alma ficou mais forte, e não mais hesitando falei: "Senhor", disse, "ou Senhora, vos imploro sincero vosso perdão. Mas o fato é que eu dormia, quando tão gentilmente chegastes batendo; e tão suavemente chegastes batendo, batendo na porta do meu quarto, que eu não estava certo de vos ter ouvido". Depois, abri a porta do quarto. Nada. Só havia noite e nada mais.
Encarei as profundezas daquelas trevas, e permaneci pensando, temendo, duvidando, sonhando sonhos mortal algum ousara antes sonhar. Mas o silêncio era inquebrável, e a paz era imóvel e profunda; e a única palavra dita foi a palavra sussurrada, "Leonor!". Fui eu quem a disse, e um eco murmurou de volta a palavra "Leonor!". Somente isto e nada mais.
De volta, ao quarto me volvendo, toda minh'alma dentro de mim ardendo, outra vez ouvi uma batida um pouco mais forte que a anterior. "Certamente," disse eu, "certamente tem alguma coisa na minha janela! Vamos ver o que está nela, para resolver este mistério. Possa meu coração parar por um instante, para que este mistério eu possa explorar. Deve ser o vento e nada mais!"

Resultado de imagem para O CORVO DE EDGAR ALLAN POE
ABRAÇOS AMIGUINHOS!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROJETO ANIMAIS DO MAR - TUBARÃO AZUL - FICHA TÉCNICA

PROJETO ANIMAIS DO MAR - TUBARÃO AZUL - FICHA TÉCNICA

FICHA TÉCNICA DO ANIMAL MARINHO:

NOME: TUBARÃO AZUL

PESO: DE 70 A 240 KG.

COMPRIMENTO: OS ADULTOS CHEGAM A MEDIR CERCA DE 4 METROS, 

MAS ESTÃO ENTRE OS MENORES DOS ASSIM CHAMADOS "GRANDES 

TUBARÕES".

ONDE VIVE: MARES TROPICAIS E TEMPERADOS DO MUNDO INTEIRO, 

PREFERINDO NADAR EM MAR ABERTO.

ALIMENTAÇÃO: ALIMENTAM-SE DE LULAS E PEQUENOS PEIXES EM 

QUALQUER LUGAR, DESDE A SUPERFÍCIE ATÉ 450 METROS DE 

PROFUNDIDADE.

POEMAS HOMENAGEANDO A BANDEIRA NACIONAL

POEMAS - DIA DA BANDEIRA



*****************************************************************************

Poesia dia da bandeira
Dia da bandeira
19 de novembro É o dia da bandeira
É pra se comemorar 
Sem levar na brincadeira

Símbolo de uma nação
Orgulho do nosso coração
Ao vê-la tremular
Ao som de sua canção.
Nossa bandeira Soberana entre as nações
És a mais belas
Entre todos os brasões.
Das suas cores Retiramos nossos tesouros
Por ela nos orgulhamos
Enchemos-nos de grandes valores.
Do seu verde temos a cor Nossas belas  florestas
Repleto de grandiosa fauna
E rica em sua flora.
Do amarelo esplendoroso Extraímos nossa riqueza
Do azul temos nosso céu
Do branco a paz de um país harmonioso.
Nossa bandeira É nosso manto
Onde hasteada
Enche-nos de brio 
Representando nosso Brasil. 

Wagner Poeta
******************************************************** U

PROJETO ANIMAIS DO MAR - CARANGUEJO - FICHA TÉCNICA

PROJETO ANIMAIS DO MAR - CARANGUEJO - FICHA TÉCNICA


FICHA TÉCNICA DO ANIMAL MARINHO:


NOME:  CARANGUEJO.

PESO: DE 1 A 20 QUILOS.

COMPRIMENTO:  CERCA DE 9 A 20 CENTÍMETROS EM MÉDIA.

ONDE VIVEM: NAS REGIÕES DE MANGUES  (VER TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA).

ALIMENTAÇÃO:  MOLUSCOS, TATUÍRAS, VEGETAIS E RESTOS DE ANIMAIS 

MORTOS.

FILHOTES:  NASCEM DE OVOS.